Home » Articles posted by editor

Author Archives: editor

image_print

Beatriz Medicina 2022

Parabéns Beatriz – Medicina 2022

Nunca parar, nunca desistir! Primeiro foi a Biomedicina, agora Medicina.

Ex-aluna é 1º Lugar no Vestibular da PUCRS para Biomedicina 2020

Ex-aluna da Escola Escobar concluiu o ensino médio em Dezembro de 2019 e concorreu no vestibular de verão 2020 da PUCRS obtendo o 1º Lugar em Biomedicina.

A Ex-aluna também obteve o 6º Lugar no vestibular de verão da UCS em Medicina Veterinária.

Na UFRGS concorreu para o curso de Museologia e também foi aprovada.

Obs: a estudante não fez nenhum curso pré-vestibular. Fez uso do aprendizado no Ensino Fundamental na Escola Escobar e formação do Ensino Médio.

Sua visita

Olá, obrigado por sua visita.

Desejamos saber como foi esta visita e o que podemos fazer para ajudar na sua decisão de efetivar a matrícula em nossa escola.

Este questionário é rápido e contém apenas 18 perguntas.

Seu Feedback é muito importante para nós.

Avalia Simulado

Solicitamos sua participação preenchendo este breve formulário de 16 perguntas.

Mesmo já tendo respondido o questionário enviado anteriormente, solicitamos seu tempo mais uma vez pois temos questões diferentes.

Sua opinião é muito importante.

Muito Obrigado

Passo 1 de 4

Inscrição Simulado 5º ano

Bem vindo. 
Período de Simulados de preparação aos colégios militares encerrado.
Parabéns a todos que participaram.
Foram um sucesso.

 

Laurent Simons, 11 anos, formado em Física

Menino superdotado se graduou na universidade belga de Antuérpia e, pensando em seus avós, quer criar órgãos para substituir os que falham

Laurent Simons em uma aula da sua universidade, numa imagem cedida por sua família.

Laurent Simons aparece na tela do computador e atende à videochamada com um alegre “hola”, para depois esclarecer, entre risos, que é a única coisa que sabe dizer em espanhol. Tem 11 anos, é superdotado e acaba de se formar em Física na Universidade de Antuérpia, na Bélgica. É uma graduação que exige três anos de estudo, mas ele a concluiu em um, assistindo às aulas da sua casa por causa das restrições impostas pelo vírus. Foi summa cum laude, com nota média 9.

No futuro, propõe-se a produzir órgãos artificiais em laboratório, para quando os naturais falham, por uma razão bem simples: seus avós têm problemas de coração e ele acha que assim ajudará outras crianças a conservarem seus familiares mais velhos durante muito tempo. Chama isso de “imortalidade” e não considera um projeto imaginário, e sim uma qualidade tangível, embora ainda não saiba como a obterá. Só tem certeza de que nada é impossível. Que tudo pode ser alcançado quando se tenta, e para isso precisa reunir muitos conhecimentos. Por exemplo, sobre física quântica, que é o tema em que pensa se aprofundar durante o mestrado (mais dois anos) e um futuro doutorado.

Fã de super-heróis da Marvel, Laurent gosta também do supervilão Loki, o irmão adotado de Thor, às vezes seu inimigo, às vezes anti-herói, interpretado no cinema e a televisão pelo ator britânico Tom Hiddelston. “Vi Loki, a série de TV, durante a pandemia e é muito boa”, diz ele, divertindo-se na entrevista coletiva concedida de Antuérpia, onde mora com seus pais, Lydia e Alexander. Ambos são dentistas. Estão no mesmo cômodo durante a conversa, mas o menino fala por sua conta e eles nem aparecem na tela.

Quando se refere aos estudos — concebidos sob medida para que siga os cursos por sua conta e depois faça as provas —, Laurent afirma com convicção que seu bacharelado em Física lhe dá apenas “conhecimentos básicos”. “Mas eu quero me aprofundar na física quântica [ramo da ciência que estuda o mundo mais diminuto, as moléculas, os átomos e seus componentes]”, pois com esses saberes pode “descobrir novas coisas e ideias e também combiná-las — é isso que eu quero”, resume.

Quando fala dos seus amigos, a coisa muda. Todos têm a sua idade, e com eles não fala de ciência. “A gente se dedica a jogar no computador, a ver filmes todos conectados ao mesmo tempo, algo que temos feito mais frequentemente por causa do coronavírus, porque não podíamos nos ver pessoalmente.”

Prefere os livros científicos aos romances, e também gosta de fazer coisas ao ar livre, entre outras “montar a cavalo com uma amiga e dirigir um kart”. A universidade e seu círculo pessoal são mundos que circulam paralelos em seu cotidiano. Seus amigos são de sua mesma idade e agem como tais. Na faculdade de Física, teve contato com os professores e, quando possível, foi ao laboratório para alguns experimentos. Falta se relacionar com seus colegas de classe, algo que a pandemia limitou e é também um tipo de trato que prefere não priorizar. “Sou um menino de 11 anos, e eles têm 18 ou mais. Não sei como me relacionaria, então prefiro trabalhar por minha conta”, explica. O que não o incomoda é a atenção midiática que recebe. Diz que fica orgulhoso, e só.

Engenharia Elétrica até 2019

A primeira parte da carreira acadêmica de Laurent se desenrolou na Universidade Técnica de Eindhoven, nos Países Baixos. Lá estudou Engenharia Elétrica até 2019, quando uma disputa entre seus pais e a reitoria o levou a deixar a instituição. Estava a ponto de se graduar como o primeiro do mundo à sua idade (9 anos), mas seus professores preferiam que esperasse até meados de 2020, porque, conforme disseram, “ir tão depressa não é bom para seu desenvolvimento intelectual”. Seus pais persistiram, e a universidade assim opinou em um comunicado publicado no seu site: “Julgamos que [Laurent] se beneficiaria da continuidade para que seu talento especial possa se desenvolver bem no futuro, mas o pai decidiu não aceitar esse calendário e cancelou sua matrícula. Lamentamos”.

Em um e-mail remetido após a entrevista com seu filho, Alexander e Lydia Simons disseram que deixaram Eindhoven “por falta de confiança”. “Sentimos que o comportamento da instituição mudou quando anunciamos que iríamos embora para que Laurent seguisse adiante em outro lugar.” Acrescentam que é um capítulo encerrado, mas sabem que “que circulam versões incorretas sobre o ocorrido”. Aos desafios de criar um filho com altas capacidades somou-se um conflito de interesses, e a situação se resolveu na Universidade de Antuérpia. Lá, o diretor da Faculdade de Física, Nick Schryvers, reconhece ao telefone que se trata de um caso muito especial. Resolveram-no com base em “selecionar os cursos dos quais necessitava, porque vinha da engenharia eletrônica, para ver como se proporcionava a ele a informação necessária. Quando ele está preparado, faz o exame”.

A covid-19 confinou a população estudantil belga em seus lares, e Laurent tampouco foi às salas de aula. Ele diz que foi bom para ele receber a gravação das aulas que chegava ao resto dos alunos, e Schryvers admite que é preciso pensar em como será o mestrado do jovem estudante. “É a primeira vez que temos um aluno tão jovem. Talvez nos cheguem com 17 anos, inclusive 16, mas não mais jovens, e acreditamos que o contato com outros estudantes pode ser relevante para Laurent. Ele é muito maduro em sua forma de raciocinar, e a diferença de idade é evidente, mas podem se relacionar do ponto de vista do que aprendem, não tanto em escala vital”, observa.

Por enquanto, Laurent espera que seus pais recebam a vacina contra o coronavírus. “Vamos ver se podemos viajar a Marbella [Espanha], onde temos uma casa”, diz. Depois, quer continuar com “o grande quebra-cabeças com muitas peças” que deve completar para chegar “à imortalidade” que busca, pensando em seus avós.

Fonte: El Pais

Dia da Bandeira 19 Novembro

O Dia da Bandeira, comemorado anualmente no dia 19 de novembro, é uma homenagem à bandeira brasileira, que foi criada logo após a Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889. Assim, o Dia da Bandeira passou a ser comemorado somente após a Proclamação da República. Como a nova bandeira brasileira foi apresentada no dia 19 de novembro de 1889, essa data foi escolhida como o Dia da Bandeira.

Contexto histórico

A nova bandeira brasileira foi resultado direto da Proclamação da República, que aconteceu no dia 15 de novembro de 1889. Esse evento resultou na queda da monarquia, que foi substituída pela forma de governo republicana. A Proclamação da República foi um movimento encabeçado pelo Exército Brasileiro, que, a partir de um golpe, destituiu o gabinete ministerial e obrigou a família real a sair do Brasil.

O Exército Brasileiro estava insatisfeito com a monarquia desde o final da Guerra do Paraguai. Os militares não se consideravam valorizados o suficiente por essa forma de governo e exigiam, por exemplo, melhorias no sistema de promoção de cargos. Havia também insatisfações com algumas medidas, como proibir militares de manifestarem opiniões políticas.

 

A atual bandeira do Brasil foi inspirada na bandeira do período imperial
A atual bandeira do Brasil foi inspirada na bandeira do período imperial

Essa insatisfação levou o Exército a conspirar contra a monarquia. Na semana do golpe que destituiu D. Pedro II, o marechal Deodoro da Fonseca foi convencido por pessoas próximas a aderir ao movimento contra o imperador. No dia 15 de novembro, Deodoro liderou uma força que obrigou Visconde de Ouro Preto a renunciar sua posição no gabinete. A proclamação aconteceu no fim do dia, quando José do Patrocínio, vereador no Rio de Janeiro, proclamou a República.

A bandeira brasileira

Com a Proclamação da República, era necessária a substituição dos símbolos nacionais que remetessem à monarquia. Sendo assim, no dia 19 de novembro, quatro dias após a proclamação, a nova bandeira foi apresentada e, oficialmente, adotada como bandeira nacional. A nova bandeira foi adotada a partir do Decreto nº 04, assinado pelo presidente provisório Deodoro da Fonseca. Nesse decreto consta1:

O Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil:

Considerando que as cores da nossa antiga bandeira recordam as lutas e vitórias gloriosas do Exército e da Armada na defesa da Pátria;

Considerando, pois, que essas cores, independentemente de forma de governo, simbolizam a perpetuidade e integridade da Pátria entre as outras Nações:

Decreta:

Art. 1º – A bandeira adotada pela República mantém a tradição das antigas cores nacionais – verde e amarela – do seguinte modo: um losango amarelo em campo verde, tendo no meio a esfera celeste azul, atravessada por uma zona branca, em sentido oblíquo e descendente da esquerda para a direita, com a legenda – Ordem e Progresso – e ponteada por vinte e uma estrelas, entre as quais a da constelação do Cruzeiro do Sul, dispostas na sua situação astronômica, quanto à distância e ao tamanho relativos, representando os vinte Estados da República e o Município Neutro; tudo segundo o modelo desenhado no anexo no 1.

O estilo básico da Bandeira Nacional (o losango amarelo em meio a um quadro verde) já fazia parte da bandeira do Império e foi definido pelo pintor francês Jean-Baptiste Debret. Com a Proclamação da República, algumas transformações pontuais aconteceram na bandeira:

  • O losango amarelo foi redimensionado.
  • O símbolo de Armas do Império foi substituído por uma esfera republicana da cor azul.
  • Na esfera, foi acrescentado um lema de orientação positivista, “Ordem e Progresso”, em letras verdes dentro de uma faixa branca.
  • Na esfera azul, foram adicionadas estrelas, que representam os estados brasileiros. A posição de cada estrela foi definida por lei e corresponde ao céu do Rio de Janeiro, observado no dia 15 de novembro de 1889 às 8:30h.

Os autores da Bandeira Nacional foram Raimundo Teixeira Mendes, Miguel Lemos, Manuel Pereira Reis e Décio Vilares. A última modificação feita na bandeira brasileira aconteceu no dia 11 de maio de 1992, quando foram adicionadas novas estrelas, que correspondem aos estados do Amapá, Roraima, Rondônia e Tocantins.

A estruturação da bandeira brasileira é definida pela Lei nº 5.700 de 1º de setembro de 1971, que determina questões relativas aos símbolos nacionais2. Essa lei estipula os detalhes obrigatórios na composição da Bandeira Nacional, como a posição do losango e da esfera, o tamanho da faixa branca, a posição das estrelas, etc.

As cores apresentadas na bandeira, como sabemos, são o verde, amarelo, azul e branco. A escolha dessas cores remonta a fatores relacionados com a história portuguesa. Vejamos a origem dessas cores:

  • Verde: faz menção a povos que habitavam Portugal há mais de dois mil anos. O verde tornou-se símbolo da luta dos portugueses pela liberdade e passou a ser utilizado como cor nacional pelos portugueses durante as guerras contra os mouros.
  • Amarelo: passou a ser utilizado no brasão de armas de Portugal logo após a conquista de Algarve (região ao sul do país) em 1250. Pode fazer menção também à cor da Casa dos Habsburgo-Lorena, dinastia da qual fazia parte D. Leopoldina, esposa de D. Pedro I.
  • Azul e Branco: foram adotados, a princípio, em Portugal a partir do século XI. O azul e o branco popularizaram-se no Brasil após terem sido adotados como as cores de algumas Capitanias Hereditárias.

Curiosidades

  • A frase que consta na bandeira, “Ordem e Progresso”, foi inspirada em uma frase do positivista Augusto Comte. A frase era: “O amor por princípio e a ordem por base, o progresso por fim”.
  • Diferente do que muitos pensam, o Dia da Bandeira não é feriado nacional.
  • A legislação brasileira prevê que, no dia 19 de novembro, seja realizada uma cerimônia para incineração de bandeiras que estejam em más condições.
  • A Bandeira Nacional é considerada um símbolo nacional. Os outros três símbolos nacionais são: Hino Nacional, Armas Nacionais e Selo Nacional.
  • A Bandeira Nacional é hasteada de maneira permanente na Praça dos Três Poderes em Brasília. No primeiro domingo de cada mês, é realizada uma cerimônia de troca da bandeira.
  • Quando são hasteadas várias bandeiras juntas à Bandeira Nacional, esta é a primeira a subir e a última a descer do mastro.
  • As estrelas da bandeira correspondem a cada um dos estados brasileiros e ao Distrito Federal.
  • A única estrela que está acima da faixa branca corresponde ao estado do Pará.
  • A legislação brasileira proíbe que a Bandeira Nacional seja utilizada como roupagem.
  • O Hino à Bandeira foi criado por Olavo Bilac e apresentado em 1906.

Fontes:

Brasil Escola. Para acessar, clique aqui.

LUZ, Milton. A História dos Símbolos Nacionais. Brasília: Senado Federal, 2005, p. 73-74. Para acessar, clique aqui.

Lei nº 5.700, de 1º de setembro de 1971. Para acessar, clique aqui.

Incentivo a leitura

Nossa escola mantém a tradição de incentivar a leitura.

Desta forma selecionamos 02 sites como sugestão para leitura on-line de livros (opção de livros em português e inglês).

Os links estão no final desta pagina ou no site da escola no menu Ecultural.

Alguns benefícios da leitura:

  • Aumenta a concentração
  • Desenvolve a compreensão
  • Incentiva o lado criativo e a imaginação
  • Aumenta o vocabulário
  • Desenvolve a leitura e a fala
  • Promove o conhecimento dos sentimentos e emoções

Como incentivar a criança a ler:

  1. Escolha livros apropriados para a idade da criança
  2. Preste atenção a possíveis dificuldades
  3. Torne a leitura divertida
  4. Crie uma rotina de leitura e dê o exemplo
  5. Conecte a leitura com os interesses da criança
  6. Leve para passeios de leitura
  7. Apresente diferentes gêneros literários
  8. Estimule uma relação saudável com tecnologia

Hino Brasileiro

Parabéns Brasil – 7 Setembro

O Dia da Independência é um feriado nacional do Brasil celebrado no dia 7 de setembro de cada ano.
A data comemora a Declaração de Independência do Brasil do Império Português no dia 7 de setembro de 1822, data que ficou conhecida pelo episódio do “Grito do Ipiranga”.

Hino Nacional Brasileiro 

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos
Brilhou no céu da pátria nesse instante

Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte
Em teu seio, ó liberdade
Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó Pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce
Se em teu formoso céu, risonho e límpido
A imagem do Cruzeiro resplandece

Gigante pela própria natureza
És belo, és forte, impávido colosso
E o teu futuro espelha essa grandeza

Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria amada
Brasil!

II

Deitado eternamente em berço esplêndido
Ao som do mar e à luz do céu profundo
Fulguras, ó Brasil, florão da América
Iluminado ao sol do Novo Mundo!

Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores
Nossos bosques têm mais vida
Nossa vida, no teu seio, mais amores

Ó Pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado
E diga o verde-louro dessa flâmula
Paz no futuro e glória no passado

Mas, se ergues da justiça a clava forte
Verás que um filho teu não foge à luta
Nem teme, quem te adora, a própria morte

Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria amada
Brasil!

Fonte: Letras de musicas

Hino Porto Alegre

Hino de Porto Alegre – RS

Porto Alegre Valerosa
Porto Alegre “Valerosa”
Com teu céu de puro azul
És a jóia mais preciosa
Do meu Rio Grande do Sul
Tuas mulheres são belas
Têm a doçura e a graça
Das águas, espelho delas,
Do Guaíba que te abraça
E quem viu teu sol poente
Não esquece tal visão
Quem viveu com tua gente
Deixa aqui teu coração.

Fonte: Letras de musicas

Hino Rio Grande do Sul

Hino do Rio Grande do Sul

Como a aurora precursora
Do farol da divindade
Foi o 20 de Setembro
O precursor da liberdade

Mostremos valor, constância
Nesta ímpia e injusta guerra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda Terra

De modelo a toda Terra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda Terra

Mas não basta, pra ser livre
Ser forte, aguerrido e bravo
Povo que não tem virtude
Acaba por ser escravo

Mostremos valor, constância
Nesta ímpia e injusta guerra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda Terra

De modelo a toda Terra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda Terra

Fonte: Letras de musicas

Nossa Localização

Escola Escobar
error: Content is protected !!